No peito e na alma !

No peito e na alma !

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Santos quer Ganso de volta e já acertou salário

Por Vagner Frederico/Diário do Peixe


Paulo Henrique Ganso está disposto a voltar ao Santos (Crédito: Instagram/Ganso)

A contratação de Paulo Henrique Ganso é o mais novo sonho de consumo do Santos. Fora dos planos do Sevilla para a atual temporada, o meia já tem acerto salarial com a cúpula da diretoria alvinegra e agora tenta obter sua liberação por empréstimo até o fim do ano.

Coincidência ou não, o vice-presidente santista Orlando Rollo viajou nesta semana para a Europa. E um dos seus objetivos no Velho Continente seria se reunir com os dirigentes do clube espanhol para acelerar a contratação do meia, revelado nas categorias de base do Peixe.

A missão de Rollo na Espanha é convencer o Sevilla a emprestar Ganso sem nenhum custo ao Santos, exceto os salários. Em contrapartida, o clube promete recuperar o jogador no Brasil para que ele possa retornar valorizado à Espanha em 2019.

Como argumento, Rollo leva na bagagem o exemplo de Gabigol. Assim como Ganso, o atacante estava esquecido na Europa (quase não jogou na Itália e em Portugal) e foi emprestado pela Inter de Milão ao Santos em condições semelhantes. Já marcou três gols em três jogos no Paulistão.

O Sevilla contratou Ganso do São Paulo em julho de 2016 por 9,5 milhões de euros (cerca de R$ 34 milhões). O ex-jogador tricolor e santista tem contrato com o clube espanhol até meados de 2021 e recebe 2 milhões de euros (R$ 7,9 milhões) por temporada.

Com a demissão do diretor de futebol Gustavo Vieira nesta segunda-feira, Rollo assumiu temporariamente as negociações em andamento no Santos, até que um novo executivo seja contratado. O nome mais cotado para assumir a vaga é o do ex-atacante Deivid.

Santos recusa negociação com Atlético-MG que envolveria cinco jogadores

Por Gazeta Press


Cazares poderia ter vindo para o Santos (Foto: Bruno Cantini/CAM)

O Atlético-MG demonstrou interesse, ainda em dezembro, em Victor Ferraz e Copete, do Santos. Uma negociação foi iniciada, mas não avançou por causa do desejo do Peixe em ter o lateral-direito e o atacante na Libertadores. Na última sexta-feira, porém, a possibilidade voltou à tona.

Um intermediário levou ao alvinegro uma proposta do Galo, que envolveria troca de cinco jogadores: O meia Cazares e o lateral-direito Patric por Victor Ferraz, Copete e Leandro Donizete. O Santos, porém, não se interessou. O negócio, a princípio, seria feito com empréstimos do quinteto.

O Peixe não topou porque conta com os experientes Ferraz e Copete em 2018 e não se empolga com Patric. Há, no entanto, a vontade de contar com Cazares e o desejo de liberar Donizete ao Galo. Só que ceder o volante em troca do meia não é suficiente para o clube mineiro.

Cazares chegou ao Atlético-MG em 2016, por cerca de R$ 6 milhões, e viveu bons e maus momentos no Galo. Hoje, é um dos reservas do técnico interino Thiago Larghi. O equatoriano de 25 anos tem cinco jogos na temporada, sem gols marcados.

Já Leandro Donizete está fora dos planos do Santos. O volante recebe um alto salário e tem contrato até dezembro de 2019. O veterano de 35 anos é reserva dos reservas. Em jogo-treino nesta terça-feira contra o São Bernardo, o atleta atuou nos minutos finais, depois dos jovens Diego Pituca, Matheus Jesus, Guilherme Nunes e Gabriel Calabres jogarem no meio-campo antes dele.

Cláusula pode fazer Santos lucrar mais com a Umbro; entenda


 Santos anunciou acerto com a Umbro (Foto: Divulgação)

O Santos anunciou na última segunda-feira o acerto com a Umbro para fornecimento de material esportivo por dois anos, a partir de março, após revisão do contrato assinado pela antiga gestão, presidida por Modesto Roma.

O acordo anterior não era bom. Depois de negociações, o Peixe conseguiu aumentar o valor dos royalties em 50% e o número de peças de enxoval em 20% – o clube terá cerca de 35 mil peças à disposição para profissional, feminino e base. O contrato, no total, gira em torno de R$ 10 milhões por temporada. O que mais agradou o alvinegro, porém, foi uma cláusula.

A partir de março de 2019, se uma empresa concorrente oferecer mais e a Umbro não quiser igualar, o Santos pode trocar de fornecedor, aumentando seu lucro. Os R$ 10 milhões são aceitáveis por causa das circunstâncias, mas o clube acredita que pode receber bem mais no futuro.

Com a indefinição do contrato com a Umbro no começo do ano, a estreia do uniforme de 2018 não será mais na estreia da Libertadores, dia 1º de março, contra o Real Garcilaso, no Peru. Como não há data de previsão do novo manto, as camisas da Kappa serão utilizadas até lá.

O Peixe contratou Paulo César Verardi como gerente de confecção e varejo. O clube negocia com Bruno Spindel, do Flamengo, para assumir a direção do marketing.

Desejo de São Paulo e Atlético-MG, Victor Ferraz pode não renovar com o Santos

Após a demissão de Gustavo Vieira, o Peixe vai revisar a situação do lateral-direito, que possui vínculo até o dia 31 de dezembro de 2019


Por Gazeta Press

O executivo de futebol Gustavo Vieira encaminhou a renovação de contrato de Victor Ferraz antes de ser demitido pelo Santos na última terça-feira. Agora, o Peixe vai revisar a situação do lateral-direito, que possui vínculo até o dia 31 de dezembro de 2019.

Gustavo negociou com o jogador de 30 anos e seu empresário, Marcos Casseb, pela extensão do acordo e um aumento salarial. O contrato, porém, foi barrado pelo departamento jurídico e não teve a aprovação do presidente José Carlos Peres nos últimos dias.

A tendência, neste momento, é que Ferraz não renove. O camisa 4 se recupera de uma luxação no ombro direito e tem sido bem substituído por Daniel Guedes, autor de três assistências no Campeonato Paulista.

Anteriormente, Victor Ferraz foi especulado no Atlético-MG e no São Paulo, mas as negociações não avançaram. O ala está nos planos do técnico Jair Ventura e é um dos líderes do elenco.

Os bastidores da demissão de Gustavo Vieira no Santos

Executivo de futebol foi desligado de sua função na noite desta terça-feira. A insatisfação de ambas as partes e conflitos internos foram peso para a saída de Gustavo

Por Lancepress


Gustavo Vieira não é mais executivo de futebol do Santos (Foto: Ivan Storti)

Gustavo Vieira foi oficialmente desligado do cargo de executivo de futebol do Santos. Mas o que gerou sua demissão? Quem irá substituí-lo? Como a decisão foi tomada? O LANCE! conta um pouco dos bastidores da demissão do filho de Sócrates e sobrinho de Raí.

Pessoas próximas à presidência afirmam que Gustavo Vieira não deixava a desejar na área do futebol, ou seja, na área técnica com Jair Ventura e sua comissão, mas sim na parte administrativa, como negociações e contratações. A falta do jogo de cintura e a lentidão em fechar acordos não agradava a diretoria. O comitê gestor se dividiu perante a permanência e desligamento de Gustavo.

O executivo de futebol já se mostrava descontente com o modo de trabalho do mandatário há algum tempo. Os atritos entre Gustavo e Peres durante as negociações foram frequentes e Peres, segundo ele, não mantinha sua palavra e mudava de opinião repentinamente. À noite assinava um contrato. Na manhã seguinte pedia para rasgá-lo. 

O estopim para que Peixe quebrasse vínculo com Gustavo foi a matéria publicada pelo "Globoesporte.com", que revelou algumas situações delicadas com o presidente José Carlos Peres. O Alvinegro crê que as informações foram vazadas pelo executivo de futebol e que a exposição do clube foi desnecessária. Horas depois Gustavo foi desligado de sua função.

O Globoesporte, inclusive, revelou que o cartola dava ouvidos a uma pessoa fora do departamento de futebol. Daniel Bykoff, um dos membros do departamento jurídico do Santos, foi responsável por intervir em situações anteriormente resolvidas e definidas por Gustavo e Peres.

Um dos episódios que abriu os olhos de Gustavo foi quando quis dar andamento nas contratações do técnico Jair Ventura e sua comissão Ednilson Sena, Emilio Faro e Antônio Macedo. O quarteto estava apalavrado e já havia iniciado os trabalhos, mas ainda não tinha assinado. Sabendo do atraso,G ustavo pegou seu carro e os levou até a Vila Belmiro e acionou Peres para finalizar a contratação. Após conversas, moldes contratuais aceitos e assinados pelas partes, Bykoff afirmou que seria necessário rever algumas cláusulas e até refazer outras, atrasando novamente a situação.

Sem Gustavo, o gerente William Machado será o principal membro do departamento de futebol e será mantido pela diretoria, que se mostra satisfeita com seus trabalhos. Um dos nomes cotados para substituir Gustavo é o de Sergio Dimas, hoje no Red Bull. A ideia é promover o seu retorno logo após o fim do Campeonato Paulista.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Santos demite o executivo de futebol Gustavo Vieira

Por Gazeta Press


Gustavo Vieira deixa o Santos (Ivan Storti/Santos FC)

O Santos demitiu o executivo de futebol Gustavo Vieira nesta terça-feira. Desde que foi anunciado oficialmente, o profissional ficou à frente do Peixe por dois meses.

Gustavo Vieira não “falava a mesma língua” do presidente José Carlos Peres. Depois de atritos em negociações, a gota d’água foi uma matéria publicada pelo “GloboEsporte.com” nesta terça, sobre o descontentamento de Gustavo. A diretoria acredita que foi o executivo quem vazou as informações e expôs o clube.

O GloboEsporte.com publicou que Peres recuou após Gustavo Vieira acertar a renovação de contrato de Victor Ferraz e a vinda do lateral-esquerdo Dodô. O presidente do Santos nega que teria ouvido um funcionário fora do departamento de futebol para brecar esses negócios.

Sem Gustavo, o Santos vai procurar um novo executivo no mercado. O retorno de Sergio Dimas, que está no RB Brasil, está nos planos. No momento, o Peixe conta com o gerente de futebol William Machado e o gerente administrativo Diogo Castro.

Cléber Reis volta a treinar após lesão na coxa direita

Por Esporte Interativo

O técnico do ​Santos, Jair Ventura, pode ganhar mais um reforço em breve. O zagueiro Cléber Reis está se recuperando e já reapareceu no campo. ​No final do mês de janeiro, o jogador teve uma lesão de grau dois na coxa direita. 

Após um pouco mais de duas semanas de recuperação, Cléber já está em trabalho de transição e correu no gramado durante o treinamento nesta terça-feira (20) pela manhã.

Cléber estava no Wolfsburg-ALE quando chegou ao Santos. O clube paulista comprou o atleta por cerca de 7 milhões de reais. Desde o inicio, o jogador não conseguiu se firmar no elenco. O zagueiro conviveu com diversas lesões e após se recuperar foi emprestado ao​ Coritiba, onde jogou o Campeonato Brasileiro de 2017. 

Até o momento, o zagueiro fez 10 partidas e não marcou nenhum gol com a camisa do Peixe. 


Santos entrega defesa à Conmebol e tenta diminuir suspensão de Bruno Henrique


Jogador foi punido com cinco jogos por cuspir em rival na Libertadores de 2018

Por Lancepress

O Santos entregou na última segunda-feira a defesa do atacante Bruno Henrique à Conmebol. O atacante foi suspenso por cinco jogos por cuspir num rival na partida contra o Barcelona de Guayaquil, na Vila Belmiro, jogo da eliminação do time nas quartas de final da Libertadores do ano passado.

Os advogados do clube tentam reduzir a pena imposta ao jogador que, com a punição atual, só voltaria à equipe na última rodada da fase de grupos, quando o Santos recebe o Real Garcilaso, do Peru, no Brasil.

Nessa tentativa, a defesa explora o que considera atenuantes, como o desenrolar da partida, muito nervosa, e comportamento anterior do jogador – Bruno Henrique, porém, já tinha sido expulso em outro jogo daquele torneio, contra o Strongest, na Bolivia.

A Conmebol não informou um prazo para responder ao recurso entregue pelo Santos. De qualquer forma, Bruno Henrique será desfalque ao menos na estreia, contra o Real Garcilaso, dia 1 de março. Ele precisa cumprir a suspesão automática e ainda se recupera de uma lesão no olho direito.


Bruno Henrique treina com óciulos de proteção para o olho (Foto: Ivan Storti / Divulgação Santos FC)

Com gols de Diogo Vitor e Yuri Alberto, Santos empata jogo-treino

Peixe enfrentou o São Bernardo no CT Rei Pelé, nesta terça-feira, e teste terminou em 2 a 2. Diogo Vitor balançou a rede e deu passe para gol de Yuri Alberto


Diogo Vitor foi o destaque de jogo-treino (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos)

O Santos enfrentou o São Bernardo em jogo-treino na manhã desta terça-feira e empatou por 2 a 2, no CT Rei Pelé. Os donos dos gols foram Diogo Vitor e Yuri Alberto.

No primeiro tempo o técnico Jair Ventura escalou Vladimir; Bambu, Matheus Guedes, Luiz Felipe e Caju; Pituca, Matheus Jesus e Vitor Bueno; Yuri Alberto, Rodrygo e Rodrigão. O primeiro tempo foi dividido em dois períodos e terminou 0 a 0.

Bambu não conseguiu desenvolver seu melhor futebol, enquanto Bueno pouco apareceu. Rodrygo se saiu melhor na habilidade e agilidade com a bola. Ele, inclusive, deu uma caneta em um defensor do São Bernardo.

Já na segunda etapa o Peixe foi para campo com João, Sandro, Gustavo, Derick e Romário; Nunes, Rafael Longuine, Léo Cittadini, Calabres e Diogo Vitor; Yuri Alberto. 

Diogo Vitor brilhou na segunda metade do jogo-treino. Ele balançou a rede e deu ótimo passe para gol de Yuri Alberto. Os zagueiros Derick e Gustavo e o lateral-direito Sandro, da base, compuseram a atividade. O Santos saiu atrás e chegou a buscar a virada, mas sofreu gol de pênalti quase no fim da atividade.

O Alvinegro volta a treinar na manhã desta quarta-feira, de portões fechados para a imprensa. Seu próximo desafio será contra o Santo André, no domingo, às 19h30, na Vila Belmiro, pela nona rodada do Campeonato Paulista. Por Lancepress

Dodô visita CT Rei Pelé e deve ser anunciado nesta semana




Dodô já está em Santos para acertar sua chegada ao Peixe (Crédito: Heuler Andrey/Mowa Press)

O lateral-esquerdo Dodô esteve na manhã desta segunda-feira no CT Rei Pelé, seu mais do que provável próximo local de trabalho. O jogador de 26 anos, que tem contrato com a Sampdoria, da Itália, deverá ser emprestado ao Santos ainda nesta semana – faltam apenas alguns detalhes serem acertados para que o anúncio da contratação seja feito.

O jogador até já fez os exames médicos de praxe, um detalhe muito importante para alguém que teve a carreira na Itália, onde joga desde 2012, prejudicada por lesões. A última delas foi uma fratura no braço direito sofrida em agosto do ano passado – por causa desse problema, Dodô não disputa uma partida oficial há cerca de nove meses.

A contratação de Dodô, que foi revelado pelo Corinthians e passou por Roma e Internazionale antes de chegar à Sampdoria, foi a solução encontrada pela diretoria para o problema da lateral esquerda. Os dois especialistas na posição que estão no elenco do Peixe, Caju e Romário, foram testados e reprovados no Campeonato Paulista. No clássico contra o São Paulo, Jair Ventura decidiu escalar o meia Jean Mota na lateral.

Dodô, jogador que tem no apoio ao ataque o seu ponto forte, será contratado por empréstimo até o fim da temporada – a mesma fórmula usada pela atual diretoria do Santos com os dois jogadores adquiridos por ela, os atacantes Gabigol e Eduardo Sasha. Por Diário do Peixe

Torcedor de arquibancada, Gabigol diz que está muito ansioso pela Libertadores

Por Gazeta Press

Ansioso, Gabigol jogará a primeira Libertadores em 2018. Anteriormente, as experiências do atacante do Santos na competição continental vieram das arquibancadas da Vila Belmiro. A família do jogador é santista de coração.

“É uma grande novidade, estou muito ansioso. Sou santista e vi muitos jogos da Libertadores na Vila. Via que o clima era diferente”, disse Gabriel, em entrevista coletiva nesta terça-feira, no CT Rei Pelé.

A estreia na Libertadores será no dia 1º de março, contra o Real Garcilaso, às 19h15 (de Brasília), na altitude de 3.400 metros em Cuzco, no Peru. Até lá, Gabigol pede que o foco esteja no Campeonato Paulista. O Peixe enfrentará o Santo André no domingo, às 19h30, na Vila Belmiro, pela nona rodada.

“Estamos ansiosos pela Libertadores, mas antes, porém, temos que pensar no domingo. Temos que fazer um bom jogo. Temos que fazer valer o mando de jogo. Se conseguirmos vitórias seguidas, vamos muito bem e confiantes para a Libertadores”, afirmou.

O reinício de Gabriel no alvinegro é fulminante: três gols em três jogos, com duas vitórias contra São Caetano e São Paulo e um empate diante da Ferroviária.

Conheça mais sobre Guilherme Nunes, o “Batman do Santos”

Por Gazeta Press

Guilherme Nunes é mais uma novidade das categorias de base a se firmar no elenco profissional do Santos. O volante canhoto, de 19 anos, fez a estreia no segundo tempo da vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo neste domingo, no Morumbi. Abaixo, a Gazeta Esportiva apresenta um pouco das características do atleta.

Primeiramente, você precisa saber que o apelido recente de Guilherme é Batman. O jogador teve parte do cabelo raspado no trote entre os profissionais e, com o desenho irregular, a cabeça, na visão de Arthur Gomes, parecia a do morcego, símbolo do super-herói.

Agora, falando de coisa séria, o Menino da Vila tem características semelhantes às de Alison, titular no meio-campo do Peixe. Guilherme Nunes é primeiro volante de origem, mas com qualidade suficiente para ajudar o ataque e surpreender os adversários. Sua referência é posição é Thiago Maia, negociado com o Lille-FRA.


Guilherme Nunes estreou pelo Santos (Ivan Storti/SFC)

Na Copa São Paulo de Futebol Júnior deste ano, Guilherme, o capitão da equipe, se aventurou no ataque durante a campanha, que terminou nas quartas de final, em derrota para o Internacional. O meio-campista, com a entrada de Wagner Leonardo, atuou quase que como um ponta-esquerda.

Fora de campo, Guilherme Nunes foge do perfil característico de um boleiro. Ele é discreto, tímido, diferente da maioria dos jovens de sua idade.

Trajetória

Guilherme Nunes teve os primeiros passos no futebol no bairro Albatroz, em Imbé, no Rio Grande do Sul. Após brincadeiras de criança, ele iniciou a “carreira” em uma escolinha, aos sete anos.

“Desde pequeno eu me identifiquei com o futebol. Nas brincadeiras eu sempre queria isso. Até que um amigo, que jogava muito bem, me chamou pra entrar em uma escolinha chamada Santa Teresinha. Fiquei jogando nela minha infância toda. Foi lá que comecei a aprender mesmo. Brincar é uma coisa, aprendizado é outra. Eu sou muito grato. Ainda voltarei lá para honrar e ajudar a crescer essa escolinha que tanto me ajudou”, disse Guilherme, na Série “Nossos Meninos”, no site oficial do Santos.

Guilherme foi criado pela mãe, Raquel, e não conheceu seu pai. Seu avô, Rudimar, cumpriu esse papel e ensinou algumas lições para o volante.

“Eu aprendi a pregar e serrar madeira com meu avô. Tínhamos um fogão a lenha lá em casa, por causa do forte frio. É comum no Rio Grande Sul. Então, meu avô me ensinou algumas coisas de carpintaria para abastecer o fogão. Meu avô sempre foi uma boa referência para mim”, comentou.


Guilherme Nunes coleciona convocações para seleções de base (Foto: CBF)

Depois de oito anos na Escolinha Santa Terezinha, Guilherme Nunes fez um teste no Ivoti/Globalfut. Antes, foi reprovado em avaliação no Grêmio e aprovado no Novo Hamburgo, mas obrigado a desistir por falta de alojamento.

“Depois de ter sido reprovado no teste do Grêmio, comecei a levar o sonho de ser jogador mais a sério. Coloquei na minha cabeça que era isso que eu queria. Quando passei no Ivoti/Globalfut, fui morar com meu tio Pierre em Campo Bom, que fica perto de Ivoti. Joguei lá por um ano, até o Santos me encontrar”, afirmou.

E o encontro com o Santos foi curioso. No fim de 2013, avaliadores do clube foram até Ivoti para observar um atacante. Foi Guilherme, porém, quem chamou a atenção e acabou chamado para testes.

“Apesar de jogar como volante, me chamaram para um período de teste como zagueiro no Santos. Meu voo acabou atrasando e consegui fazer somente uma avaliação em dezembro de 2013. Voltei em fevereiro de 2014, passei pela bateria de testes e fui aprovado. Quando fiquei sabendo, fiquei muito emocionado, fui para o alojamento e chorei muito”, lembrou.

Na base do Santos, Guilherme Nunes se firmou, conquistou o Campeonato Paulista Juvenil de 2014, e colecionou convocações para seleções brasileiras sub-17 e sub-20. Agora, busca se manter no elenco profissional do Peixe após a estreia no clássico.