No peito e na alma !

No peito e na alma !

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Com possível saída de Levir, Santos estuda técnicos para 2018; veja opções


Com eleições marcadas para dezembro, comissão técnica do Peixe deve mudar

O Santos deverá ter uma nova comissão técnica em 2018. Independentemente do candidato que ganhar as eleições do dia 9 de dezembro, Levir Culpi tem poucas chances de permanecer.

Atual presidente e postulante à reeleição, Modesto Roma já estuda outras opções. E os opositores também não se empolgam com o trabalho feito por Levir, que está na mira do futebol japonês.

– Levir é o técnico do Santos até o fim do ano. Depois, veremos se continuará com a gente – disse Modesto, brevemente, na última terça-feira.

A atual diretoria do Peixe tem cinco nomes na mira. Uns preferem alguém experiente. Outros gostariam de um técnico da nova geração. E há quem defenda a efetivação do auxiliar Elano, algo que Modesto julga precipitado neste momento.


Levir não deve ficar no Santos em 2018 (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

As opções são: Fabiano Soares, do Atlético-PR, Roger Machado (sem time), Vagner Mancini, do Vitória, Claudinei Oliveira, do Avaí, e Jair Ventura, do Botafogo. Veja abaixo a situação de cada um.

Fabiano Soares tem 51 anos dirige o Atlético-PR desde julho. O técnico trabalhou no Estoril, de Portugal, e Estradente e Compostela, da Espanha. A diretoria gostou da postura do Furacão nas partidas contra o Santos pela Libertadores e no segundo turno do Campeonato Brasileiro;

Roger Machado tem 42 anos e está desempregado desde julho, quando foi demitido pelo Atlético-MG. Antes, dirigiu Juventude e Novo Hamburgo. Ele recusou proposta do Flamengo em agosto;

Vagner Mancini tem 50 anos e está no Vitória desde julho. O técnico dirigiu o Santos, em 2009, e vários outros clubes como Grêmio, Vasco, Cruzeiro, Atlético-PR e Chapecoense;
Claudinei Oliveira tem 48 anos e está no Avaí desde agosto de 2016. O técnico também dirigiu o Peixe, só que em 2013. Depois, passou por Goiás, Paraná, Atlético-PR e Vitória. O treinador tem ótimo relacionamento com o presidente Modesto Roma;

Jair Ventura tem 38 anos e está no Botafogo, seu primeiro clube como técnico profissional, desde agosto de 2016. Antes, ele foi jogador, preparador físico e auxiliar.

Salários de acordo com a situação financeira do clube e bom relacionamento com jogadores das categorias de base são dois dos critérios procurados.


Jair Ventura é um dos nomes na mira do Santos (Foto: André Durão)

Eleição vem aí

Além de Modesto Roma, o GloboEsporte.com ouviu os outros três candidatos à presidência do Santos já anunciados: Andres Rueda Garcia, José Carlos Peres e Nabil Khaznadar.

As perguntas foram as mesmas. Andres declarou que vai torcer pelo Santos de Levir na reta final do Campeonato Brasileiro, e prefere não comentar s o assunto neste momento.

Você renovaria o contrato de Levir Culpi?

– Restam 10 rodadas para o fim do campeonato. O time ainda disputa o título e vaga direta para a Libertadores. O momento é de respeitar e de torcer pelos profissionais que lá estão – disse Peres.

– Só depois de conversar com ele e mostrar qual nosso plano de trabalho e ele entender que deverá seguir regras – disse Nabil.

Você já tem opções para assumir a comissão técnica? Quais os critérios?

– Quem está no futebol tem de avaliar o mercado o tempo todo. Mas, como disse, não é momento para essas questões. Manter ou não o treinador é algo para ser discutido em dezembro. Em relação aos critérios, penso ser importante respeitar as características do clube, como o espírito ofensivo, e saber trabalhar com nossos jovens talentos, sobretudo, os meninos da base – respondeu Peres.


– Sim, com certeza. Já tenho nomes. Mas só vou falar dois critérios por enquanto: jogar para frente sempre e usar a base e lançar jogadores – respondeu Nabil.

Você contrataria um técnico estrangeiro?

– Nacionalidade não define competência. Treinadores estrangeiros têm muito a contribuir, mas trabalhar no Brasil requer um esforço a mais na compreensão do mercado e da cultura do nosso futebol – afirmou Peres.

– Olha, anos atrás, quando o (Jorge) Sampaoli (técnico da seleção argentina) estava na Universidad de Chile, disse para algumas pessoas: "Tem que contratar esse cara". Hoje ele é isso tudo que estamos vendo. Não vejo problema em contratar alguém de fora – afirmou Nabil.

Números de Levir

Em 28 jogos no comando do Peixe, Levir Culpi coleciona 13 vitórias, 11 empates e quatro derrotas (59,5% de aproveitamento). Hoje, ele tenta melhorar esse retrospecto diante do Sport.

Santos visita o Sport para buscar reação e seguir vivo no Brasileiro

O Santos foi do céu ao inferno em apenas 90 minutos na última segunda-feira. Após ver o Corinthians perder para o Bahia, em Salvador, a equipe comandada por Levir Culpi tinha a chance de diminuir para 7 pontos a diferença para o líder do Campeonato Brasileiro. Porém, o Peixe foi dominado pelo Vitória em pleno Pacaembu, ficou no empate em 2 a 2, saiu vaiado pela torcida, e ainda perdeu a segunda colocação para o Grêmio.

Apesar da frustração pelo último resultado, os santistas seguem confiantes no sonho do título. E para seguir tentando encostar no Timão, o Alvinegro da Vila precisa bater o Sport, nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 29ª rodada do Brasileirão.

“Temos que seguir trabalhando para brigar pela taça. Não vamos desistir. Tentamos fazer o melhor como sempre”, disse o colombiano Jonathan Copete, que saiu vaiado durante a igualdade com o Vitória, na última segunda.

O topo é por ali, Levir! Após tropeço no Pacaembu, Santos quer vitória para seguir sonhando (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Para o embate quinta, o técnico Levir Culpi terá três desfalques importantes. Bruno Henrique, com desconforto na panturrilha esquerda, não foi relacionado. Já o volante Alison cumpre suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo.

Por fim, o veterano Renato, recuperado de edemas na coxa direita e no tornozelo direito, ficará fora por precaução da comissão técnica. O volante participou normalmente do treino coletivo entre os reservas nesta terça-feira, mas só deve jogar contra o Atlético-GO, no próximo domingo, na Vila Belmiro.

Na vaga de Renato e Bruno Henrique, o comandante seguirá com Matheus Jesus e Jean Mota, respectivamente. Já para o lugar de Alison, Emiliano Vecchio e Serginho disputam posição. Gazeta Esportiva

Jesus salva? Durante 'crise' Matheus ganha sequência e se projeta no Peixe

Contra o Sport, nesta quinta-feira, volante faz seu quinto jogo seguido como titular do Santos. Antes opção, garoto pode ser solução para Levir e se antecipar para 2018


O ambiente do Santos já esteve melhor. Enquanto o futuro de Lucas Lima não é definido, o meia lida com diversas críticas de torcedores e se alterna entre boas e más atuações. Enquanto isso, Zeca e Kayke foram cobrados pela diretoria por atitudes fora de campo e quase não viajaram a Recife. Mas em meio as incertezas, Levir Culpi parece ter achado uma solução.

Nesta quinta-feira, às 21h, na Ilha do Retiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Peixe encara o Sport com Matheus Jesus como titular de seu meio de campo pela quarta vez consecutiva.

O jovem de 20 anos resolveu problemas do técnico desde então. Primeiro, passou a substituir Renato, que tem edemas na perna direita. Nesta quinta, não contará nem com o mais experiente e nem com Alison, com quem vinha jogando. O camisa 5 está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e, provavelmente, Matheus dividirá espaço com Yuri ou Vecchio.

Mesmo com cinco jogos pelo Alvinegro, as atuações na reta final do Brasileirão pode render a Jesus um espaço no time na próxima temporada...

- Quero jogar bem sempre que precisarem de mim. Como disse, não sou titular ainda, tem que continuar trabalhando para melhorar e estar bem. Espero que no ano que vem possa continuar tendo oportunidades para manter o nível de atuação - diz o camisa 22 ao L!.

Além de ser ativo nas redes sociais, onde responde santistas e faz brincadeiras, o meio-campista tem chamado a atenção dentro de campo por atender uma das características mais esperadas pelo torcedor: a ousadia.

Desde o clássico contra o Palmeiras, Matheus se mostrou solto, arriscou dribles firulas e principalmente chutes a gol de fora da área. E tudo isso ele parece ter aprendido desde antes de chegar à Vila Belmiro.

- Desde o começo falo que meu estilo é mais solto, de atacar, de posse de bola, de jogar livre. Me ajuda, sim (saber que a torcida gosta disso no Santos). O grupo passa bastante confiança e me ajuda muito na adaptação - acrescenta.

Por enquanto, Matheus está preocupado em ajudar e mostrar serviço. Por um motivo óbvio, ele deposita todas as suas fichas na próxima temporada, quando, ao fim, termina seu empréstimo com o Santos.

- Sempre tento melhorar, acho que todos têm que melhorar. O titular é o Renato, não tem o que falar, tem que esperar a minha vez. Lance

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

LUCAS LIMA PROMETE AO PALMEIRAS QUE FECHA COM O CLUBE SE FICAR NO BRASIL


Não há nada assinado e o pré-contrato não foi sequer produzido, mas Lucas Lima e seu estafe avisaram ao Palmeiras que, caso opte por continuar no Brasil, o jogador vestirá a camisa alviverde em 2018.

Não é à toa que o próprio meio-campista admitiu recentemente a possibilidade de jogar no rival do Santos na próxima temporada. Também não é por acaso que Lucas parou de provocar os palmeirenses nas redes sociais, fato que se tornou comum durante os anos de rivalidade mais intensa entre os clubes após seguidas decisões.

No Palmeiras, internamente, o possível reforço já é tratado com naturalidade e a aposta é que as alfinetadas recentes serão esquecidas após as primeiras atuações. Um rompimento com o Santos também não é temido com o discurso de que tudo o que tem sido feito está dentro das normas de Fifa, que estabelece que um atleta pode firmar vínculo com uma nova equipe até seis meses antes do término de seu contrato.

Nem o diretor de futebol, Alexandre Mattos, tampouco o presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, admitem uma negociação, mas as conversas com a NN Consultoria, do pai de Neymar, e com o agente Edson Khodor, que cuidam da carreira do meia, já estão em andamento. São eles que decidirão o futuro do jogador após o contrato com a equipe da Vila Belmiro, que vai até dezembro.

Se a negociação for concretizada, o Palmeiras receberá o meia sem custos de transferência, precisando arcar apenas com luvas e salários. A boa situação econômica do clube e o apoio quase que irrestrito da Crefisa tornam a operação mais fácil. Pessoas próximas ao jogador já admitem que o Alviverde é o clube mais atraente no cenário brasileiro, e veem com dificuldade a permanência na Vila Belmiro.

Em entrevista na última terça-feira, Mattos repetiu o discurso padrão sobre todo grande jogador interessar ao Palmeiras. Segundo ele, qualquer ação neste sentido só será tomada após o fim das negociações entre Lucas e o Santos pela renovação.

A boa relação entre o dirigente e Neymar pai é decisiva para que o negócio se viabilize. Como já mostrou o UOL Esporte, eles se encontraram durante a concentração da seleção brasileira na Academia de Futebol.

O empresário, inclusive, teve tratamento de luxo ao lado de seu filho. Foram filmados durante quase todo o tempo pela TV Palmeiras, deram um tour para conhecer as novas instalações e ficaram juntos durante todo o trabalho comandado por Tite em uma área reservada para convidados.

O Santos, que ainda tem o atleta sob contrato, não pode interferir nessa negociação, já que Lucas Lima está no fim do contrato e até já poderia assinar um pré-contrato. Em julho, o clube alvinegro fez uma proposta de R$ 600 mil mensais mais luvas, que fariam do armador o jogador mais bem pago do elenco. Até agora, no entanto, ele ainda não respondeu a oferta. Uol

Santos vai trocar de fornecedor e voltar com a Umbro após sete anos


Acordo com a inglesa Umbro voltará a valer a partir de março do ano que vem. Parceria com a Kappa para fabricação de uniformes se encerra em fevereiro



Depois de dois anos cuidando da fabricação do próprio uniforme, com auxílio da Kappa, o Santos terá a partir de março de 2018 um novo fornecedor de material esportivo. Depois de sete anos, a inglesa Umbro volta a estampar sua marca na camisa do Peixe.

O contrato vale a partir do dia 1 de março pois o acordo com a Kappa, que é responsável por desenhar o uniforme, se encerra no dia 28 de fevereiro. Portanto, o Alvinegro disputará a Copa São Paulo e o início do Paulistão com o modelo atual.

Apesar de dizer que o atual modelo de negócio - em que o clube se responsabiliza por confecção, distribuição e todo o processo de comercialização - é rentável, terá mais garantias de lucro com a empresa inglesa, já que há uma garantia mínima paga pela empresa de acordo com o número de camisas e uniformes vendidos nas lojas. Em 2016, o clube arrecadou pouco mais de R$ 3 milhões com venda de camisas, sem contar produtor licenciados.

No total, a Umbro pagará cerca de R$ 7,5 milhões anuais ao Santos, além de se responsabilizar pela fabricação e distribuição a lojas e ao próprio clube. O contrato tem duração de dois anos.

A parceria entre Santos e Umbro durou 14 anos no passado. Começou em 1997 e terminou em 2011, quando o Peixe assinou com a Nike sob intermédio da Netshoes.

Porém, o contrato não foi renovado pois torcedores reclamavam de não encontrar os produtos em alguns lugares. A diretoria comandada por Modesto Roma alegava que o dinheiro recebido não era compensatório ao clube. Por outro lado, na época, não havia oferta de outras empresas interessadas em fornecer material esportivo ao Santos.

Atualmente, a Umbro trabalha no Brasil com Cruzeiro, Grêmio, Atlético-PR, Bahia, Chapecoense e Vasco. Lance

Caju ganha primeira chance no Santos após negócio frustrado com o Lille

Além das ausências de Renato e Bruno Henrique, machucados, a lista de relacionados do Santos para o jogo contra o Sport, nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília), na Ilha do Retiro, pelo Brasileirão, teve a presença de Caju como uma das principais novidades.

O lateral-esquerdo foi chamado pelo técnico Levir Culpi pela primeira vez após retornar ao Peixe. No início de julho, o jovem 22 anos teve sua transferência para o Lille dada como certa pelo alvinegro e passou um mês e meio na França.

Porém, por causa de problemas físicos e falta de tempo hábil no fim da janela de transferências, Caju acabou não sendo contratado pelo Lille e voltou ao Santos no dia 11 de setembro.


Caju foi relacionado pelo Santos para o duelo com o Sport, em Recife (Foto: Ivan Storti / Santos FC)

Desde então, ele passou exatamente um mês apenas aprimorando a parte física para voltar 100% e retomar seu espaço com Levir Culpi. Contra o Sport, porém, ele deverá permanecer no banco de reservas.

O lateral espera receber oportunidades nos últimos jogos do Brasileirão para provar que pode ser vendido ao Lille. Apesar do acordo fracassado no último período de transferências, as duas equipes combinaram de retomar a negociação em janeiro, quando a janela reabre.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Jornal inglês diz que Arsenal e United querem santista de R$ 157 milhões


"The Sun", da Inglaterra, destaca Yuri Alberto, da equipe sub-17 do Santos

Yuri Alberto, da equipe sub-17 do Santos, está na mira do Arsenal e do Manchester United, da Inglaterra, de acordo com o jornal britânico "The Sun". Observadores das duas equipes acompanham o Mundial da categoria, que vem sendo disputado na Índia. O atacante é reserva da equipe dirigida pelo técnico Carlos Amadeu.

O jornal diz que Arsenal e United preparam propostas para o santista em 2018. O Peixe teria pedido £ 37,5 milhões (R$ 157 milhões) pelo jogador de 16 anos, que assinou o primeiro contrato profissional em julho.

O centroavante deve ser promovido ao elenco profissional do Santos a partir do ano que vem. O jovem é uma das principais promessas das categorias de base. São mais de 85 gols desde que chegou ao clube, em 2013.


Yuri Alberto está na mira de Arsenal e United, de acordo com jornal inglês (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)

Santos estuda punição para Zeca e Kayke e dupla pode não pegar o Sport

Lateral-direito fez uma publicação ofensiva após o jogo contra o Vitória, enquanto atacante teve problemas nos bastidores. Bruno Henrique segue com desconforto e vai ser desfalque

Zeca pode não viajar para Recife após postar imagem ofensiva após o jogo contra o Vitoria 



Zeca e Kayke não devem enfrentar o Sport nesta quinta-feira, às 21h, na Ilha do Retiro. O lateral-esquerdo postou em seu Instagram uma imagem que não foi aprovada pela diretoria (veja abaixo) depois do empate contra o Vitória. Os dirigentes santistas entendem que ela desrespeita a torcida. 


Já Kayke, enfrentou problemas nos bastidores. O atacante reclamou nos vestiários com superintendente de esportes Dagoberto Santos sobre uma premiação e também pode não viajar nesta terça para enfrentar o Leão da Ilha. No treino desta tarde, apareceu em campo para tentar argumentar com Levir.

A diretoria está estudando uma forma de punição e pode ser que a dupla não enfrente o Sport. Zeca e Kayke não se pronunciaram até o momento.

Outro desfalque para a 29ª rodada do Brasileirão é Bruno Henrique, que não estará à disposição do técnico Levir Culpi. O atacante ainda sente um desconforto na panturrilha esquerda.

Vale lembrar que Zeca já foi punido internamente por chutar uma bola na arquibancada e foi acusado pela diretoria de ter organizado uma lei do silêncio após a demissão do ex-gerente de futebol Sérgio Dimas. Lance

Renato e Bruno Henrique seguem fora do Santos contra o Sport


O técnico Levir Culpi não contará com Bruno Henrique e Renato contra o Sport, nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. O atacante segue com desconforto na panturrilha esquerda e irá desfalcar o Santos.

No empate em 2 a 2 com o Vitória, na última segunda, no Pacaembu, ele foi substituído por Jean Mota, que marcou o primeiro gol do Peixe no confronto.

Já Renato, recuperado de edemas na coxa direita e no tornozelo direito, ficará fora por precaução da comissão técnica. O volante participou normalmente do treino coletivo entre os reservas nesta terça-feira, mas só deve jogar contra o Atlético-GO, no próximo domingo, na Vila Belmiro.

Além disso, o Peixe não contará com Alison, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Por fim, problemas extracampo podem tirar Zeca e Kayke contra o Sport. O lateral-esquerdo fez uma publicação polêmica em uma rede social, apagada minutos depois. Já o atacante reclamou pela falta oportunidades, o que desagradou a diretoria. Gazeta Esportiv

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Entenda por que o Santos não conseguiu derrotar o Vitória no Pacaembu

Peixe se mostra desorganizado e só consegue arrancar empate em 2 a 2 do segundo melhor visitante do Campeonato Brasileiro graças a um gol contra


Um time desorganizado na defesa e no ataque. Assim foi o Santos no empate em 2 a 2com o Vitória, na noite desta segunda-feira, em duelo da 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. Diante de um rival que joga muito melhor quando é visitante, o Peixe não se achou no Pacaembu e só não saiu derrotado porque contou com a ajuda de Ramon, autor do gol contra que decretou o placar final.

Em resumo, isto foi o Santos:

O ataque não funcionou sem Bruno Henrique, vetado por questões físicas. As melhores jogadas vieram de cruzamentos isolados, não de lances trabalhados;

Copete jogou muito mal e contribuiu decisivamente para o primeiro gol do Vitória ao perder bola para Neilton;

A defesa, que começou o jogo como a melhor da competição e costuma ser o ponto forte do time, falhou duas vezes e se mostrou determinante para o resultado;

Lucas Lima jogou tão abaixo do que pode que deixou o gramado vaiado pela torcida.

Para um time que precisava vencer para reduzir a distância em relação ao líder Corinthians, ficou o resultado ruim e a impressão negativa para a reta final da temporada – já são dois jogos seguidos sem ganhar.


Time sente ausência de Bruno Henrique

Quem esperava por um Vitória fechado, à espera do Santos, logo entendeu por que o time baiano é o segundo melhor visitante do campeonato. A equipe dirigida por Vagner Mancini mostrou lucidez, paciência e qualidade, principalmente para contra-atacar.


Pressionado em seu campo de defesa e com posse de bola inferior (44% a 56%), o Peixe sofria por não ter Bruno Henrique – baixa devido a dores na panturrilha esquerda. Sem ele, Lucas Lima tentava exercer a função tática do atacante: abrir pela esquerda para receber e puxar o ataque. Faltou ao camisa 10, porém, ser mais vertical.


Função tática de Lucas Lima: faltou verticalizar as jogadas (Foto: GloboEsporte.com)

Faltou, também, Copete se adaptar ao lado esquerdo, onde ocupou a faixa de campo de Bruno Henrique. Acostumado a jogar pela direita, o colombiano se atrapalhou em alguns lances tolos, como no que originou o primeiro gol do Vitória. Ele perdeu para Neilton, que puxou o contra-ataque até a bola chegar a David.


Gol do Vitória! David recebe na área, dribla Vanderlei e abre o placar, aos 22 do primeiro tempo

Solução e drama pelo alto

O gol do primeiro empate santista, ainda no primeiro tempo, repetiu estratégia que funcionou contra Palmeiras e Ponte Preta: bola na área em direção a Ricardo Oliveira. A diferença, desta vez, foi que o camisa 9 não marcou. Jean Mota, com apenas 1,72 m, conseguiu subir mais do que Juninho (de 1,71 m) para cabecear.


Gol do Santos! Zeca cruza, e Jean Mota empata de cabeça, aos 35 do primeiro tempo

A arma que machucou o Vitória, porém, também feriu o Santos. Foi pelo alto que Wallace (1,84 m) ganhou de David Braz (1,88 m) para tirar do Peixe o posto de melhor defesa do campeonato – agora, são 19 gols sofridos, contra 18 do líder Corinthians.


Gol do Vitória! Neilton cruza, e Wallace cabeceia pra marcar, aos 19 do segundo tempo


Pouco antes desse gol, Levir tentara dar outra dinâmica ao seu time. Trocou Copete e Matheus Jesus por Serginho e Vecchio, respectivamente. Assim, jogou Jean Mota para a faixa esquerda de campo, deixou Serginho na direita e deu a Lucas Lima um parceiro para dividir a armação.

Como ficou o Santos após as duas primeiras substituições feitas por Levir (Foto: GloboEsporte.com)

O segundo gol do Santos, porém, nada teve a ver com táticas, substituições ou mudança de postura em campo. Veio de um gol contra bizarro marcado por Ramon, após cabecear contra a própria meta uma bola cruzada por Daniel Guedes.


Gol do Santos! Daniel Guedes cruza, e Ramon marca contra, aos 24 do segundo tempo

Na verdade, em momento algum o Peixe pareceu um time ciente do seu papel na partida. Com pouco mais de 20 minutos para buscar a virada, as tentativas de chegar à frente eram muito mais na base da vontade do que na técnica. Lucas Lima, vaiado pela torcida, parecia disperso. Foi quem mais errou passes na equipe: oito.

Levir ainda tentou trocar Jean Mota por Lucas Crispim. O último lance da partida, no entanto, retrata a noite infeliz do Santos. O próprio Crispim recebeu na esquerda e, ao cortar para dentro, adiantou a bola, perdendo a posse. Um fim de jogo melancólico para uma equipe que parece cada vez mais distante da briga pelo título.  Globoesporte

Santista cita frustração na briga por título e lamenta falta de artilheiro


O meia Jean Mota reconheceu que o empate contra o Vitória por 2 a 2, nesta segunda-feira, no estádio do Pacaembu, em jogo válido pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro, frustrou o Santos em relação a briga pelo título. A equipe santista perdeu a chance de diminuir a vantagem do rival em 7 pontos.

O alvinegro praiano ficou a 9 pontos do líder Corinthians e na terceira colocação, com 49 pontos ganhos, o mesmo número de pontos do Grêmio, que soma duas vitórias a mais que o clube paulista: 15 contra 13.

"Fico um sentimento de frustração, sabíamos a importância do jogo, o Corinthians tropeçou. Teríamos que ganhar. Não fizemos um bom jogo, mas mérito ao Vitória. Não jogamos com um time qualquer, time rápido e boa proposta de jogo", afirmou Jean Mota no programa Bem Amigos, do SporTV.

Jean Mota substituiu o atacante Bruno Henrique, que desfalcou o time por conta de desconforto muscular. O meia marcou o primeiro gol de empate da equipe santista na partida, mas reconheceu que o companheiro, artilheiro do time na temporada, fez muita falta dentro de campo.

"Bruno Henrique é ume excelente jogador, vem em um bom momento. Eu fiz o gol, substitui o Bruno, mas minha característica é diferente, é mais armação. Ele ajuda bastante com gols, assistência, é um jogador muito importante para nós", disse.

Bruno Henrique é o artilheiro do Santos neste ano, com 16 gols marcados. Se não bastasse, o camisa 27 tem 10 assistências na temporada. Somente no Campeonato Brasileiro, ele marcou seis gols e deu nove passes para os companheiros balançarem as redes.

O empate do Santos contra o Vitória, por sua vez, mantém a invencibilidade do clube paulista no Pacaembu. Em 25 jogos, são 22 vitórias e três empates.

Após empate o Vitória, o Santos volta a campo diante do Sport, quinta-feira, às 21h (de Brasília), na Ilha do Retiro, em jogo válido pela 29ª rodada da competição. Uol 

Santos derrapa, empata com Vitória e perde chance de 'colar' no rival

Equipe de Levir Culpi errou muito e distância para o Corinthians ficou em nove pontos após o 2 a 2 contra os baianos. Torcida vaiou o time depois do apito final no Pacaembu


Sabe quando aquele seu amigo vem oferecer um negócio, seja carro, computador, bicicleta, você até se interessa, mas não quer comprar seja lá quanto for? Ele entrega pelo valor "x". Você recusa, diz que a situação financeira está ruim. Sensibilizado, ele, esperançoso, reduz para "y". Novamente, sua resposta é negativa, seguida de outra lamentação financeira. Você até teria o dinheiro com o desconto dado, mas não quer aquele investimento. Por fim, insistente que é, o amigo faz o ultimato reduzindo ainda mais, pedindo "z". Quase de graça. Sua resposta: "Olha, cara, realmente está barato, mas não vai dar". O amigo fica meio sem entender, e desiste, conformado. Pois bem: você, no Campeonato Brasileiro, é o Santos. Seu amigo é o Corinthians, que vem oferecendo a chance de título, mas o Peixe insiste em recusar. 

Nesta segunda-feira, a equipe do técnico Levir Cupi recebeu o Vitória no Pacaembu e precisava vencer para reduzir para sete pontos a distância do rival. Mas, outra vez, não fez dua parte, abusou dos erros e ficou apenas no empate, como já tinha sido contra a Ponte Preta: 2 a 2, com direito a gol contra dos baianos. 

Justiça seja feita, o Vitória até merecia melhor sorte. Além do gol que decretou o 2 a 2 ter saído de uma infelicidade do zagueiro Ramon, que fez contra logo após Wallace colocar o rubro-negro na frente, Neilton acertou uma bola no travessão. David, autor do primeiro gol, deitou e rolou nas costas de Daniel Guedes. Aqui, um parentêses: David é muito bom jogador. Rápido, habilidoso, pode ser ótima opção para os times grandes em 2018. Abre o olho! 

Do lado do Peixe, mais uma noite infeliz de Copete, que perdeu a bola de origem do gol de David. O colombiano criou pouco, como a equipe, e saiu entre (mais) vaias e aplausos. A paciência da torcida com ele já foi para o espaço. 

Mas o resultado ruim não pode ser creditado ao atacante. Além de enfrentar um adversário muito duro jogando como visitante - o Vitória venceu os últimos cinco jogos assim -, o Santos jogou pouco. A dupla de volantes errou demais. Ricardo Oliveira não aproveitou as poucas chances. Jean Mota, autor do primeiro gol santista no primeiro tempo, foi oportunista, mas pouco criativo. Faltou companhia a Lucas Lima. 

Para o Vitória, o empate contra o time de ponta de tabela pode ser considerado bom, ainda mais porque o mantém fora da zona do rebaixamento, com 33 pontos, um a frente do Z4. Já o Santos segue como o amigo que não quer fazer negócio, agora em 3º, com os mesmos 49 do Grêmio, mas duas vitórias a menos. Vai uma disputa de título aí? Não, obrigado! Lance