sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Torcedor do Grêmio chama Aranha de "fedorento". Assista ao vídeo



O goleiro Aranha foi alvo de muitas vaias e xingamentos na sua volta à Arena do Grêmio, três semanas depois de ter ouvido ofensas de cunho racional no duelo entre Grêmio e Santos pela Copa do Brasil. O goleiro escutou protestos desde o momento em que entrou em campo para o aquecimento. Uma das câmeras do SporTV flagrou um torcedor gremista chamando o camisa 1 do Santos de "fedorento".

Com as mãos na boca, para tentar evitar que os xingamentos fossem identificados, e bem ao lado de uma criança, o jovem chama duas vezes goleiro de "fedorento" e "relaxado".

Nesta sexta-feira, na volta a São Paulo,Aranha lamentou a postura de boa parte dos presentes ao estádio , dizendo que eles pareciam apoiar o episódio ocorrido em 28 de agosto, quando foi chamado de "macaco" e disse ter ouvido coros que imitavam o som do animal.

- Não me chamaram de preto fedido, mas me chamaram de branquelo. Era piada? Eles te chamam de tudo o que é coisa. Torcedor se manifestar contra o adversário é normal. Mas o que acontece lá é um caso à parte, é diferente - declarou o goleiro santista.

Aranha demonstrou surpresa com a reação.

- Eu sinceramente pensava que a maioria não concordava com as atitudes, que eles iam tentar passar outra imagem. Mas ficou claro que é um pensamento quase geral da torcida do Grêmio. Pode pegar no meu pé (nas próximas partidas na Arena), não tem problema. Eu não vou desrespeitar ninguém. A denúncia eu fiz para fazer valer meus direitos - afirmou.

SporTV

Enderson espera volta de desfalques no Santos contra o Figueirense


Treinador não pôde contar com Thiago Ribeiro e Mena lesionados, e Alison suspenso, no empate com o Grêmio. Técnico deve contar com pelo menos dois no jogo de domingo

O técnico do Santos, Enderson Moreira, pode contar com três importantes reforços na partida contra o Figueirense, domingo, na Vila Belmiro, válida pela 23ª rodada do Brasileirão. O volante Alison retorna de suspensão, enquanto o lateral-esquerdo Mena e o atacante Thiago Ribeiro podem ser liberados pelo departamento médico do clube.

Thiago, que sentiu dores nas costas após a partida contra o Sport, treinou no gramado nos últimos dias e tem o retorno praticamente certo. Já a situação do chileno é mais delicada, já que ele voltou a ter um incômodo no músculo posterior na coxa direita.

- É aquilo que eu falo: as mudanças têm sido feitas por conta das limitações dos atletas, a gente espera poder contar com eles já no próximo domingo. As mudanças são muito na base da conversa, porque infelizmente não tem como mudar de jogo para jogo nos treinamentos - lamentou Enderson, que tem tido pouco tempo para treinar a equipe.

Além do trio, o atacante Rildo, afastado por conta de uma discussão com o técnico no último sábado, deve ser relacionado para enfrentar os catarinenses.

Lancenet

Enderson Moreira elogia frieza de Aranha na volta a Porto Alegre


Treinador destacou concentração do goleiro do Santos apenas na partida, deixando de lado as vaias dos gremistas: ‘Ele é maduro, experiente’

Aranha foi o grande responsável pelo ponto conquistado pelo Santos diante do Grêmio, nesta quinta-feira, em Porto Alegre. Mesmo sofrendo forte pressão por toda a polêmica sobre as injúrias raciais sofridas na última vez em que as equipes se encontraram, pela Copa do Brasil, o camisa 1 não se deixou influenciar e fez, pelo menos, três grandes defesas na partida. Uma, inclusive, a bola explodiu na trave após leve toque de Aranha.

“A gente só tem que elogiar, porque eu imagino o quanto foi difícil retornar aqui. As lembranças estão muito vivas na nossa memória, imagina para ele. Ele conseguiu concentrar única e exclusivamente no jogo e em nada do que aconteceu fora do jogo. Ele nos ajudou muito na conquista desse um ponto. Ele é maduro, experiente e sabe se comportar nesses momentos”, elogiou o técnico Enderson Moreira, ao analisar a atuação de seu goleiro.

O treinador do Peixe também evitou fazer qualquer tipo de julgamento sobre o caso e sobre as vaias dos torcedores gremistas direcionadas ao jogador santista.

“Eu não posso, cada pessoa tem a sua visão. Ninguém pode, na verdade, sentir aquilo que o Aranha sentiu naquele dia. Ele está chateado, magoado, vejo com gravidade, infelizmente no nosso país estamos acostumados com impunidade. Quando tem...”, comentou Enderson, que agora soma duas vitórias, uma derrota e um empate à frente do Alvinegro praiano.

FoxSports

Santistas enaltecem atuação e comemoram ponto fora de casa


Jogadores aprovam partida do Peixe e valorizam empate em 0 a 0 com o Tricolor

O Santos empatou em 0 a 0 com o Grêmio, na noite desta quinta-feira, em Porto Alegre, pelo Campeonato Brasileiro. A equipe pouco atacou o adversário e quase não levou perigo ao gol de Marcelo Grohe.

Mesmo assim, os jogadores aprovaram o desempenho do Peixe. Na visão do atacante Gabriel, o time criou e foi bem atuando na Arena do Tricolor.

- Nosso time jogou bem, eles estão em casa. Nós viemos para jogar atrás e tentar. Foi um jogo muito difícil. Até criamos, mas faltou o último passe. Tivemos algumas chances, mas perdemos. Nosso time jogou muito bem. Levamos sufoco, que é normal aqui, mas jogamos bem - disse ele.

O meia Lucas Lima valorizou o ponto conquistado fora de casa.

- Marcamos bem, faltou acertar o contra-ataque. Tivemos chances, não fizemos o gol. Mas foi importante pontuar e levamos esse ponto importante daqui - disse.

O Santos volta para São Paulo na manhã desta sexta-feira e começa a se preparar para o duelo de domingo, contra o Figueirense, na Vila Belmiro. 

Globoesporte.com

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Aranha rebate repórter na saída de campo por vaias: "você concorda?"


O goleiro Aranha se irritou na saída de campo da partida entre Santos e Grêmio. Ao ser questionado por uma repórter sobre o que aconteceu no duelo desta quinta-feira, o jogador chegou a questionar se a jornalista concordava com as vaias.

"Não ligo com vaia, com manifestação torcedor desde que seja no esporte, sem ser hipócrita fala as coisas, acha o que quer, sabe que a vaia foi diferente. Você sabe porque (foi diferente)", falou o goleiro.

"Tudo o que aconteceu, ou não foi nada? Ou você concorda com o que aconteceu?", completou.

Depois da frase, Aranha encerrou a entrevista que dava na saída do gramado claramente contrariado com os questionamentos.

O jogador santista ainda ressaltou ter ficado triste com a partida desta quinta-feira.

"Fiquei triste, deu para perceber bem qual pensamento da torcida gremista, grande maioria apoiou, não só garota que tá pagando porque apareceu, tinha muita gente. Hoje também, muitas pessoas que foram contra minha atitude, única coisa que eu fiz foi relatar para o árbitro, coisa que está na regra, está na lei. Muita gente sofreu para ter leis para proteger coisas como essa. Punição serve para ensinar " finalizou.

Uol

Aranha lamenta vaias na Arena do Grêmio: 'Mostra que eles concordam'


Alvo de ofensas raciais por parte de alguns torcedores do Grêmio há três semanas, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, o goleiro santista Aranha voltou a ser hostilizado nesta quinta-feira, data do reencontro das equipes pela 22ª rodada do Brasileirão. O jogador foi vaiado durante o aquecimento e algumas pessoas até arremessaram pipocas em sua direção. A cada toque na bola no primeiro tempo, Aranha era xingado e ofendido por vozes das arquibancadas.

Há três semanas, por conta dos gritos de "macaco" e outros gestos ofensivos, Aranha se revoltou e pediu a interrupção da partida vencida pelo Peixe por 2 a 0, o que não foi feito pelo árbitro da ocasião. O goleiro registrou Boletim de Ocorrência, viu o STJD excluir o Grêmio da Copa do Brasil em razão do comportamento da torcida, e não escapou de novas críticas - desta vez, no entanto, sem registros de racismo. Na saída para o intervalo, Aranha lamentou os atos da torcida gaúcha.

Sempre procuro respeitar o adversário e a torcida adversária, mas é triste. É triste porque mostra que eles concordam com tudo o que aconteceu. Mas meu papel é jogar bola, estou bastante focado - disse Aranha, admitindo chateação pelo acontecimento, mas assegurando segurança para a etapa complementar.

O Grêmio é sexto colocado do Brasileirão e o Santos ocupa o nono lugar atualmente.

Lancenet

Grêmio e Santos empatam sem gols, e caso Aranha rouba a cena na Arena


Igualdade custa ao Tricolor vaga no G-4, enquanto Peixe mantém campanha intermediária; goleiro é vaiado após polêmica e critica torcida no intervalo

Havia duas partidas sendo disputadas na noite desta quinta-feira, na Arena do Grêmio. Uma delas era a extensão do duelo de 28 de agosto, pela Copa do Brasil, marcado pelas injúrias raciais contra o goleiro Aranha. A outra, a verdadeira, válida pela 22ª rodada do Brasileirão, era o embate entre Grêmio e Santos. Não há como haver vencedores num indesejável tira-teima entre torcida e jogador, até porque não deveria ser natural no futebol ficar na expectativa por xingamentos e confusões. Menos mal que nada de mais grave foi registrado.


Assim, ainda será possível falar de futebol. Não de bom de futebol. Com ataques pouco produtivos, os times ficaram no 0 a 0.


saiba mais


O resultado, muito devido a equipes com dificuldades de armação e conclusão e também a defesas seguras de Aranha, não agrada a ninguém. O Grêmio até livrou um ponto do Fluminense (36 a 35) e foi a quinto, mas perdeu a chance de ingressar no G-4 - o Corinthians empatara com a Chapecoense. O Santos mantém sua campanha intermediária, com a nona colocação e seus 30 pontos.


Ambos jogam no domingo, às 18h30, em casa. O Tricolor recebe a Chapecoense na Arena, enquanto o Santos duela com o Figueirense, na Vila Belmiro.




Vaias e crítica roubam a cena no primeiro tempo

Foram 22 dias de intervalo entre a noite em que Aranha foi ofendido por torcedores, no 2 a 0 do Santos pela Copa do Brasil, e o reencontro pelo Brasileirão. Nesse intervalo, um turbilhão de fatos e polêmicas invadiu a rotina dos clubes. O Grêmio foi excluído da Copa do Brasil e ainda tenta reverter a decisão nos tribunais. Para Aranha, a vida também mudou. Foi cercado de perguntas sobre o assunto durante essas semanas e, depois de algum tempo, aceitou perdoar a torcedor flagrada o chamando de “macaco”.

Ao entrar em campo para o novo duelo, a pressão não seria menor. Começou cedo, no primeiro tempo, já que Aranha se postou exatamente na trave em que estourara a polêmica. Bem vigiada pelo sistema de câmeras da Arena, a torcida procurou apenas vaiar o goleiro. No máximo, palavrões que em nada se aproximam com injúrias raciais.

Aranha também teve trabalho para fazer o que sabe de melhor, evitar gols. Antes do 20 minutos, Lucas Coelho, alçado a titular após lesão de última hora de Barcos, arriscou duas vezes. Ambas foram desviadas pelo goleiro, sendo que a última ainda roçou o poste. O Grêmio foi superior durante todo o primeiro tempo, mas faltou manter a blitz inicial. Bem postado, o Santos conseguiu, aos poucos, controlar o time de Felipão. No entanto, pouco ameaçou Marcelo Grohe, mais de 400 minutos sem levar gols.

Embora bem em campo, Aranha se incomodou com a postura incisiva da torcida rival. No intervalo, disparou:

- Tenho de fazer o meu trabalho, mas é triste. Se tiver de dar desculpas para esse povo não vou dar, não. 

Vaias sossegam... e jogo também

Foi de Damião a primeira finalização santista, mal executada no segundo tempo. Mas a noite não parecia ser de centroavantes. Logo depois, Lucas Coelho voltou a errar, ao bater fraco em frente a Aranha. 

Se as vaias ao goleiro amainaram na etapa final, o panorama do que realmente deveria importar, a bola rolando, não se alterou. Muita pressão gremista, mas pouca competência para armar jogadas com qualidade. Do lado santista, Geuvânio entrou no lugar de Damião para tentar dar mais velocidade. Em vão. Felipão respondeu ao sacar Luan e colocar Fernandinho. Também inócuo.

O talento isolado de Robinho quase decidiu, aos 34 minutos, em contragolpe. Que só não foi fatal por que Geromel conseguiu ser ainda mais esperto, ao desarmar o santista. Mas, no fim das contas, o bom futebol definitivamente não havia sido convidado para um reencontro que, desde seu início, já dava indícios de que seria muito mais do que uma partida qualquer.

Globoesporte.com

Grêmio lembra declarações de Dracena e se preocupa com clima 'bélico'

Após exclusão do Tricolor da Copa do Brasil, capitão santista falou em 'banimento do esporte' em caso de reincidência. Diretor-executivo espera postura 'adequada' da torcida

O jogo das 20h30 desta quinta-feira, na Arena, será especial. Não apenas pela volta de Enderson Moreira ao estádio gremista. Mas também coloca frente a frente novamente Grêmio e Santos após as injúrias raciais feitas por um grupo da torcida ao goleiro Aranha, no duelo pela Copa do Brasil. O clima nada amistoso que se criou entre as duas equipes é uma preocupação para logo mais.

A situação criou uma série de atritos, muito embora o presidente santista, Odílio Rodrigues, concedeu entrevistas afirmando que não concordava com punições à instituição. Mas o zagueiro Edu Dracena, por exemplo, afirmou que o Tricolor tinha de ser banido do esporte se a situação continuasse. Declaração que foi lembrada pelo diretor-executivo Rui Costa, em entrevista coletiva no CT Luiz Carvalho. O dirigente citou o episódio envolvendo Diego Maurício, do Flamengo, chamado de macaco na Vila Belmiro, em 2011, e disse não lembrar de declarações do zagueiro sobre o ocorrido.

- Temos preocupação que o jogo tenha um transcurso normal, que esteja voltado ao enfrentamento esportivo. Por mais que tenha acontecido um episódio que todos nós repudiamos, depois desse episódio, da condenação dura e estigmatizante do Grêmio, tivemos manifestações de jogadores do Santos que são contrárias às do próprio presidente. Dracena disse que o Grêmio tinha uma torcida racista e que tinha que ser banido do futebol. E ele estará em campo - afirmou Rui Costa.

A confiança é de que a torcida tenha um comportamento exemplar nesta quinta, sem novos incidentes. O reencontro com Aranha acontece após a exclusão do clube gaúcho da Copa do Brasil pelo STJD. O recurso do caso será julgado na outra sexta-feira, dia 26.

- Confiamos no nosso torcedor, que vai pressionar o Santos e vaiar, mas em um contexto adequado. Temos que ter cuidado da forma que os jogadores do Santos vão se colocar da maneira com o que foi dito, que está escrito. E da mesma forma que o Felipe se posicionou, os atletas se posicionaram. E pode trazer um tom belicoso para o jogo - completou o dirigente, falando também sobre a declaração de Felipão de que Aranha teria armado uma cena.

O Tricolor terá poucas mudanças. Na lateral esquerda, Pará ocupa a vaga aberta por Zé Roberto, deslocado da direita. Matías Rodriguez entra no time nesta função. No meio, Giuliano fica fora do jogo, por dores no púbis. E Luan começa como titular.

Lancenet

Agente alega ter 10% de Gabigol e compra briga com Santos; multa é de R$ 150 milhões


Um agente de futebol comprou uma briga com o Santos por causa de Gabigol. O empresário ingressou com uma medida cautelar de exibição de documentos do atacante Gabriel Barbosa, principal joia oriunda da base alvinegra na atualidade. Ele alega ter 10% dos direitos em uma futura venda. Vale citar que a atual multa rescisória do atleta é superior a R$ 150 milhões.

Cândido Padin Neto, engenheiro e agente de jogadores, alega ter descoberto o jovem craque em 2004 e que, por causa dele, Gabriel foi levado ao futebol de salão do Santos, quando fez 120 gols na categoria para crianças de até 9 anos de idade.

O ESPN.com.br teve acesso a dois documentos supostamente assinados por jogador, seus pais e o próprio empresário, datados de 2005 e 2006. No segundo acordo, consta que o requerente faria jus ao recebimento de 10% sobre uma futura negociação do jogador.

Ainda segundo a documentação, o tratado seria válido para cessão temporária ou definitiva e enquanto durar o vínculo empregatício de Gabriel com o Santos. Atualmente, o jogador está perto de assinar uma renovação contratual que lhe dará um aumento considerável. Além disso, o Barcelona tem preferência na compra do atleta, acertada durante venda de Neymar.

Conforme apurou o ESPN.com.br, o contrato atual de Gabriel está dividido em 60% dos direitos para o Santos e 40% da família. O agente que acionou as partes alega ter 10% de uma futura venda - vale citar que o vínculo que está em vigor hoje tem como multa rescisória 50 milhões de euros, ou R$ 153 milhões, que devem aumentar com a renovação.

Em contato com a reportagem, o time alvinegro mandou a seguinte nota oficial: "O Santos FC não recebeu nenhuma notificação judicial nem tem qualquer relação comercial relacionada ao Gabriel com esse agente". Vale citar que o clube ainda não recebeu a citação e que, assim que receber, terá que apresentar sua defesa.

ESPN

Tranquilo e concentrado: Aranha se prepara para reencontrar o Grêmio


Goleiro volta à Arena onde foi chamado de “macaco” por torcedora gremista. Apesar disso, não encara o jogo como oportunidade de “vingança”

O goleiro Aranha está tranquilo antes de reencontrar com o Grêmio na noite desta quinta-feira, às 20h30 (de Brasília), na Arena, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Este será o primeiro duelo entre as equipes depois de o camisa 1 do Peixe ter sido chamado de “macaco” pela gremista Patrícia Moreira. Apesar disso, ele não está vendo o jogo como uma chance de se vingar.

O santista, vítima de injúrias raciais na partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, está vendo o reencontro desta quinta-feira como “normal”. Pessoas próximas a ele relatam que o comportamento do goleiro não mudou nos últimos dias por causa do jogo na Arena Grêmio.

Do dia 28 de agosto, quando foi chamado de “macaco”, até esta quinta-feira, Aranha falou duas vezes com a imprensa. Na última, depois de ajudar o Santos a superar o Vitória por 2 a 1, o camisa 1 desculpou Patrícia Moreira pelas injúrias raciais, mas deixou claro que espera que a justiça seja feita e ela pague pelo o que cometeu. O tom de voz do goleiro, porém, não levantou em momento algum da entrevista coletiva.

É com esse comportamento tranquilo que ele vai entrar em campo nesta quinta-feira. O técnico Enderson Moreira também espera que os fatores extra-campo não atrapalhem o desempenho dos santistas, que buscam a segunda vitória fora de casa no Campeonato Brasileiro.

– É motivo para conversarmos com o grupo. Já conversamos sobre esse retorno à Arena. O importante é os atletas estarem tranquilos, que eles entendam que o jogo é importante para estarmos atentos. É essa a conversa que estamos tendo. Conversamos com um ou outro atleta. O foco tem de ser o jogo – disse o comandante santista.

Assim como Aranha, o treinador está tranquilo. Nem as declarações do Felipão, que insinuou uma suposta “armação” do camisa 1 do Peixe, deixam Enderson preocupado. O técnico acredita que o que o gremista falou não irá interferir na partida e prega respeito pelo adversário.


– Sinceramente, eu acho que isso (declarações do Felipão) não interfere. Não estamos preocupados com o que acontece fora de campo. Acima de tudo, temos de nos respeitar sempre. Todos somos profissionais e queremos fazer o trabalho da melhor forma possível. Vamos sofrer pressão da torcida, vão tentar nos desestabilizar, mas isso acontece sempre quando o time joga fora. O que determina o resultado é o que acontece dentro das quatro linhas – disse o treinador.

Relembre o caso

O incidente no jogo entre Grêmio e Santos, na Arena do Grêmio, em 28 de agosto, ocorreu aos 42 minutos do segundo tempo, quando Aranha reclamou com o árbitro Wilton Pereira Sampaio, alegando ter sido vítima de xingamentos por parte da torcida. O goleiro registrou boletim de ocorrência na 4ª Delegacia de Polícia na sexta.


A maior repercussão recaiu sobre uma jovem mostrada pelas imagens do canal ESPN. Patrícia Moreira, 23 anos, foi afastada do trabalho no Centro Médico e Odontológico da Brigada Militar. Em 4 de setembro, prestou depoimento à polícia e, na sexta, pronunciou-se à imprensa, pedindo desculpas a Aranha e ao Grêmio, sob forte comoção. No total, dez pessoas já foram ouvidas pela polícia, que ainda não concluiu o inquérito.

As injúrias raciais proferidas por torcedores gremistas contra o goleiro tiveram outro desdobramento. Em julgamento no dia 3, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu, por unanimidade, excluir o Grêmio da Copa do Brasil. No primeiro duelo das oitavas de final, os paulistas bateram os gaúchos por 2 a 0. Haverá julgamento em segunda instância, no Pleno do STJD, ainda sem data oficializada.

Globoesporte.com

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

No Sul, Aranha evita polemizar: "Já falei o que tinha para falar"


Goleiro do Peixe desembarca em silêncio na cidade gaúcha, onde reencontrará torcida do Grêmio após ofensas racistas que sofreu em jogo da Copa do Brasil

A delegação do Santos já está em Porto Alegre para o jogo desta quinta-feira, contra o Grêmio. E o goleiro Aranha , principal personagem do duelo, por conta das ofensas racistas que recebeu de torcedores do clube gaúcho, em partida há três semanas, chegou em silêncio ao hotel onde a equipe ficará hospedada, assim como fez no aeroporto. 

Os jogadores entraram na concentração por volta das 17h. O goleiro foi um dos últimos a descer do ônibus. Com fones de ouvido e acompanhado por um segurança, não quis dar entrevistas aos poucos jornalistas presentes, algo que já havia sido avisado pela assessoria do Peixe. Ainda assim questionado, ele rapidamente explicou, caminhando: 

- Já falei tudo o que tinha para falar - limitou-se a dizer o goleiro santista, antes de entrar no saguão. 

O acesso ao hotel do Peixe está bloqueado para os jornalistas, que têm de ficar do lado de fora. Os outros atletas abordados, como Robinho, também não quiseram dar entrevistas. Na chegada ao aeroporto, antes, mais proteção: o time saiu direto pela pista, sem passar pelo saguão, onde apenas um torcedor esperava. 

Mesmo com o temor de protestos ou aglomerações por causa da presença de Aranha, todo o trajeto da delegação foi tranquila. Não havia torcedores e nem qualquer tipo de movimentação no hotel. 

Grêmio e Santos se enfrentam às 20h30 desta quarta-feira, na Arena, pelo Campeonato Brasileiro. Será o reencontro do Peixe e do goleiro com o clube gaúcho e o local onde sofreu ofensas racistas de torcedores, há três semanas, em partida válida pela Copa do Brasil, vencida por 2 a 0 pelos paulistas. O fato resultou na exclusão do Tricolor da competição como punição. 

Globoesporte.com 

Oposição quer abrir ‘caixa-preta’ da negociação de Neymar


Orlando Rollo, candidato a presidente do Santos pelo grupo de oposição Terceira Via Santista (3VS), protocolou no Conselho Deliberativo, nesta terça-feira, 16, um ofício endereçado ao presidente Odílio Rodrigues e ao Conselho Gestor do clube pedindo aos dirigentes empenho nas investigações sobre a transferência de Neymar para o Barcelona, assim como a abertura de todos os contratos que o atleta assinou com o Alvinegro Praiano. O pedido veio à tona a pouco mais de dois meses das eleições do clube, que devem acontecer no dia 6 de dezembro.

Para Rollo, o Conselho Gestor e a diretoria não se esforçam em resolver o “quebra cabeça” em que se tornou a transferência de Neymar para o Barcelona. Segundo o Barcelona, a contratação custou R$ 284 milhões, e apenas R$ 56 milhões foram para o Santos, dos quais quase metade (R$ 26 mi) é referente à preferência na contratação de dois jogadores da base santistas, entre eles o atacante ‘Gabigol’.


- Não acho que houve má-fé dos dirigentes. Acho que houve inexperiência na condução das negociações. O Santos é vítima, perdeu milhões e o Conselho Gestor não mostra o menor empenho para apurar eventuais danos ao patrimônio da entidade – disse o candidato da 3VS.

No ofício, Rollo lembra que já pediu ao presidente Odílio Rodrigues abertura dos contratos de Neymar com o Santos em reunião extraordinária do Conselho em fevereiro.

- Na posição de conselheiro, tenho o dever de fiscalizar. Em fevereiro eu já havia pedido para ver os contratos, e o presidente (Odílio Rodrigues) mostrou apenas uma pequena parte deles e para poucos e selecionados conselheiros. – contou Rollo.

O Ministério Público Federal já tem um processo de investigação aberto para apurar possíveis irregularidades na transação do atleta, e até hoje está em aberto. O mesmo acontece no Ministério Público da Espanha. Este, por sua vez, já apontou evasão fiscal do Barcelona na transferência.

Saber qual é o estágio atual das investigações do Ministério Público é um dos pedidos feitos por Rollo no ofício, que ainda não chegou ao presidente Odílio Rodrigues e ao Conselho Gestor. Paulo Schiff, presidente do Conselho Deliberativo do Santos, ainda está analisando o documento.

Lancenet

Jogos para sempre - Santos X Corinthians - Brasileirão de 2002